Reabilitação urbana | LUCIOS transforma antigo cinema

O antigo cinema Águia D’Ouro, no Porto está a ser transformado num hotel ‘low-cost’, um projecto a cargo da LUCIOS – Engenharia e Construção. Considerado um dos mais emblemáticos edifícios da Baixa portuense, hoje apenas a fachada resiste à degradação. Foi teatro e depois cinema, mas há já 15 anos que os filmes deixaram de ser projectados e por isso a Solverde, proprietária do espaço, vendeu o imóvel por três milhões de euros a um investidor que por agora quer manter o anonimato.

 

A LUCIOS, empresa de Vila do Conde que tem neste projecto uma das suas mais recentes obras, cabe apenas a primeira fase de recuperação do imóvel, cujo investimento, só na parte de estruturas, significa um milhão de euros.
Contudo, esta é apenas uma das obras de reabilitação urbana em que o grupo está envolvido.
Da carteira de obras de 75 milhões de euros que o grupo tem para os próximos 18 a 24 meses, a reabilitação urbana pesa 40% do total. De acordo com Filipe Azevedo, administrador da empresa, estão neste momento em desenvolvimento, além do Águia d’Ouro, a construção do hotel Intercontinental e do quarteirão das Cardosas, também na Baixa do Porto, e a transformação do edifício Corpo da Guarda em habitação.
Um dos mais significativos é a obra que está a desenvolver no Quarteirão das Cardosas, que a LUCIOS ganhou em concurso público lançado pela SRU – Porto Vivo e em que actua como promotor e construtor. O projecto inclui a reabilitação de 19 edifícios localizados no interior do quarteirão, a construção de um parque de estacionamento e de dois espaços comerciais, num investimento de 14 milhões de euros, ficando a Lúcios com a concessão dos espaços. O grupo de Vila do Conde ganhou também a empreitada de transformação do Palácio das Cardosas no futuro hotel Intercontinental, uma obra cuja fase de construção das estruturas custará quatro milhões de euros.
A Lúcios está ainda a recuperar os bairros municipais Fonte da Moura, Campinas, Pinheiro Torres e Santa Luzia, e recentemente terminou a reabilitação de um palacete na Avenida da Boavista, um empreendimento de habitação da SI Península que incluiu construção nova. Filipe Azevedo destaca ainda a reabilitação de escolas através da Parque Escolar, no caso de uma empreitada de seis milhões de euros em Penafiel e ainda a construção de escolas em Paredes, Vila do Conde, Maia e Valongo, neste caso projectos municipais.


PME EXCELÊNCIA
Criada nos anos 40 por Lúcio da Silva Azevedo, o mestre Lúcios, o grupo encontra-se agora na terceira geração de gestores, tendo conseguido ser distinguida com a distinção de PME Excelência. Na opinião de Filipe Azevedo, o objectivo é atingir uma facturação em valores de 45 a 50 milhões de euros.
Neste momento a empresa factura 34 milhões de euros, mas para 2010 a perspectiva é atingir os 40 milhões de euros, face ao volume de obras actuais.
Neste momento está a construir o novo edifício da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, uma obra de 15 milhões de euros.
O Águia d’ Ouro vale três milhões de euros e foi vendido a um investidor que por agora quer manter o anonimato. A primeira fase de recuperação do imóvel vai ser conduzida pela LUCIOS.

Fonte: Diário Económico