Qualidade para fazer a diferença

Aposta na habitação de luxo foi estratégia vencedora

A pequena empresa de construção que o “Mestre Lúcio” começou a construir há 65 anos está muito diferente. Cresceu expandiu-se a todos o país e a novas áreas de actividade, mas o “mestre” continua a ser uma referencia para os actuais administradores, filho e dois netos do fundador, assim como para as gentes de Vilar do Pinheiro, uma localidade a meio do caminho do Porto para Vila de Conde.

É deste reconhecimento que Filipe Azevedo, administrador da empresa e neto de Lúcio da Sílvia Azevedo, mais se orgulha. E é por isso que se tem empenhado em manter o negócio familiar que herdou.
Nos últimos 25 anos, o pai de Filipe Azevedo foi o responsável pelo desenvolvimento da organização, que hoje é formada por um grupo de quatro empresas ligadas ao sector da construção civil, e agora a LUCIOS tem como principal preocupação a “qualidade”. “O esforço comercial para ganhar obras é muito competitivo e, na minha opinião, a qualidade tem-se perdido”, explica o administrador.

Com a estagnação das obras públicas e a dificuldade em ganhar este tipo de concursos, a estratégia da LUCIOS passa por apostar na construção própria de habitação para segmentos de luxo. Nos últimos doze anos, especializaram-se na construção de condomínio de luxo em zonas de eleição como perto de praias, e “a taxa de sucesso é grande”, assegura Filipe Azevedo. “Tudo o que seja bom e bem localizado. "É garantia de vendas”, salienta.
Além de habitação, a reabilitação de edifício é outra das áreas prioritárias. A LUCIOS tem recuperado vários bairros sociais na Zona Norte do país e, na visão de Filipe Azevedo, esta é uma área essencial. “Construiu-se tanta coisa e tão mal e quando se vai arranjar tem-se muito mais cuidado”, salienta.
A par da diversificação de áreas de actuação, a construtora investiu nas ultimas décadas em equipamento e infra-estruturas. As instalações centrais, com mais de oito mil metros quadrados, estão equipadas com carpintaria, serralharia, armazém e uma central de betão.
A empresa tem, ainda, uma diversidade de instalações sociais, onde se destaca um hotel com capacidade para 40 pessoas, que assegura o acolhimento de trabalhadores que venham do exterior pu de outras zonas do país.

Fonte: Jornal de Notícias